Quando vejo atletas (mesmo que na reprise) entrando no Maracanã, ovacionados por 90 mil pessoas, emocionados e ao mesmo tempo tensos com o que está por vir, sinto uma pontada de inveja. Como a que provavelmente vou sentir hoje ao ver as meninas da ginástica no pódio. A recompensa por anos de treinos intensivos, dedicação extrema, que vem em poucos minutos, segundos. Muita emoção concentrada em pouco tempo. Sem contar com o milagre da superação física. Me arrepia.

Quando vejo Marisa Monte no palco, orquestrando o público, dando uma de maestrina e nos fazendo cantar com ela a 3 vozes, fico arrepiada. Como ela mesmo disse: ‘o maravilhoso da música é que é algo que se pode fazer junto, e quando tá todo mundo junto ninguém desafina’. Vê-la entrar no palco, iniciar uma música a capela, despedir-se e deixar o público cantando só, me deixa imaginando como deve ser emocionante poder fazer isso. Ter esse controle sobre milhares de pessoas, que foram ali para te ver. Deve ser dos retornos mais gratificantes de seu trabalho – saber que aquilo que vc criou foi parar na boca e mente de milhares de pessoas, que se identificam, se emocionam, fazem de sua música trilhas sonoras pessoais.

Só não sei dizer de quem a inveja é maior: se do atleta ou do músico. Na dúvida, ovaciono os dois 🙂

Anúncios