Silencio! No hay banda, no hay orchestra!
(foto de Deise Lima)
Recapitulando: a TV quebrou e resolvi dar uma oportunidade ao silêncio.

Experimentei silenciar quando ansiei por falar. Quem sabe onde o silêncio vai dar? Não deu em novidade.
Quando antes silenciaria, falei. Experimento reverso. Deu em novidade. Gostei. Viva o experimento.

** I Visita de Amiga Romana. Desandei a falar. Forte impacto no projeto-experiência. Justa a causa. **

Retornei e fui rapidamente traída pelo hábito: quando percebi, já tinha falado. Silenciei o lado de lá, que tanto queria falar. O silêncio é um diálogo. O silêncio pode ser barulhento.
Persistente, silenciei eu mesma. De novo. Esperei. Quem sabe onde o silêncio vai dar. E dessa vez, deu em novidade. Experimento mais inconclusivo. Melhor dar oportunidade ao acaso, e deixei o silêncio pra lá.

E finalmente o silêncio me acometeu. Assim, sem avisar, sem planejar, sem racionalizar. Simplesmente silencio. Só porque sinto assim.

Anúncios