do teto, pendia escultura.
no chão, um espelho e uma abóbada.
era abóbora a abóbada.
eu girava e a abóbada cada vez mais funda.
quis pular. o avistei. a frente e abaixo de mim.
da abóbora, uma carruagem.
do espelho, um buraco de Alice.
abobada, pulei. pulamos.
quicamos na abóbada que, invertida, era uma lona de circo. cor-de-abóbora.
dois abobados no picadeiro da abóbora abóbada. fugimos pra Bora Bora.
acabou-se a história.

(textinho bobinho que estou abobada com a abóbada cor-de-abóbora. quis brincar com palavrinhas e foi o melhor que me ocorreu. agradecimentos a amiga Si. e a Rebecca Horn, artista alemã que colocou a escultura no teto abobadado do CCBB.)

Anúncios